19 junho 2008

Beber, cair e levantar...

Conheci a Rosana no primeiro dia de trabalho. Éramos as garotas que vieram para substituir outras, e por essa razão nossa chegada gerou muitos comentários em toda a empresa.

A primeira impressão que eu tive dela não foi muito positiva. Engraçado essa coisa de não ter química, não dar liga. E foi justamente isso o que aconteceu conosco. Foi um olhar meio torto depois das apresentações formais. A Ro tinha um jeito meio esnobe de ser, não era de muita conversa, foi complicado.

Acredito que a gente conseguiu mudar a imagem que tínhamos uma da outra porque fomos meio que forçadas a ser amigas. Ela era minha companhia na integração da empresa, na hora do almoço e nos comentários que se fazem quando não se conhece tudo.

Surpreendentemente nos tornamos inseparáveis, ela tinha um namoro complicado e eu a ajudava nos momentos difíceis e nas mancadas que ela levava do indivíduo. Em contrapartida eu a arrastava para os happy hours e baladinhas a fim de animá-la.

Foi ela quem me levou pela primeira vez em uma micareta. Estávamos juntas nas bebedeiras, nas noites que não tínhamos o que fazer e sem vontade de ir para casa. Foi ela a responsável pelo início do meu relacionamento com o Queridinho e quem me deu a maior força quando eu mudei de departamento e de casa, ela até ajudou com as tralhas que tive que carregar.

A gente continua unida, fazendo e falando merdas. Ela é uma pessoa linda, de sentimentos nobres, com muitas qualidades, atenciosa e sempre disposta a ajudar. Somos amigas e isso me faz muito bem.

P.S.: Esse texto tá pronto há tempos, só hoje deu na telha de publicar. Tá aí.

Um comentário:

Milena disse...

Olá Rosi!
Que bom que você resolveu se apresentar!
Obrigada pelos elogios ao nosso blog.

Um abraço,
Milena
(http://drepente30.blogspot.com)