28 setembro 2009

Mappin, venha correndo Mappin


Lembra dessa antiga musiquinha? Pois é, a lendária loja de departamentos fez parte da minha vida, não só como consumidora, mas como funcionária também.

Tive a felicidade de fazer parte da família, já que eram mais de 15 mil funcionários. A rede tinha a fama de ser uma excelente instituição para se trabalhar, além de ter salários justos e benefícios atraentes.



Loja do Mappin da Praça Ramos


Quem não se lembra da famosa loja da Praça Ramos, aquela gigante localizada no centro de São Paulo, em frente ao Teatro Municipal? Era ali que se concentrava a maior variedade de produtos e serviços que a rede possuía. Você encontrava desde cama, mesa e banho como artigos de camping, cosméticos importados, listas de casamento e planos de consórcios. É isso mesmo, a rede tinha uma linha de crédito própria e foi uma das pioneiras em ter seu próprio cartão de compras. Era ali também que estava localizado o ambulatório central e próprio para atendimento dos funcionários com médicos especializados.

Era nas 12 lojas no Mappin que trabalhavam minha irmã, meus amigos e muitas senhorinhas. A rede tinha como missão a valorização da prata da casa e viámos muitos funcionários com mais de 20 anos de casa. Era ali que qualquer dona de casa ia fazer compras porque a quantidade de shoppings em São Paulo era infinitivamente menor e os preços das lojas Mappin eram imbatíveis. Portanto, a musiquinha que ilustra o título desse post era ouvida com muita alegria por todos, pois ela anunciava a Liquidação Anual do Mappin, um período que qualquer um faria boas compras.
Enfim, foi com o salário do Mappin que consegui entrar na faculdade, foi ali que fui promovida e fui destaque de vendas de cosméticos regional, foi ali que vivi várias emoções e triste notícia: em 1999 foi decretada a falência da Rede Mappin e os 15 mil funcionários ficaram sem seus empregos. Na época, minha irmã estava grávida e junto com os demais funcionários da chamada Massa Falida fomos brigar pelos nossos direitos. Depois de anos recebi apenas minhas idenização rescisória, já o processo de minha irmã corre até hoje.

Tenho certeza que todos os funcionários sentem falta daqueles dias de labuta, porém de conquistas que foram destruídos por fraudes de um executivo corrupto. Se não se lembram, Ricardo Mansur quebrou a Rede Mesbla e logo em seguida a Rede Mappin, foi preso por um curto período, condenado a três anos de reclusão, em regime aberto, e proibido de exercer atividade comercial pelo prazo de cinco anos a contar do ano de 2003, mas está solto, como de costume. Seu filho desfila por aí como um Don Juan. E os 15 mil funcionários ficaram a ver navios.

10 comentários:

Estúdio de Design disse...

Isso me lembra infância e adolescência. Tinha uma tia minha que vinha todos os anos para SP só para fazer compras no Mappin! rssss.
Adorava passear pela loja, ficava horas entrando nas barracas de acampar que tinham na loja!!! rss.
Beijos!
Lele

Elaine disse...

É só até sábado!

Era assim que terminava a propaganda!rsrsrs Mulher, você já trabalhou em vários lugares hein? Eu também, já que comecei cedo, passei por várias empresas.
Esse negócio de impunidade é ultrajante mesmo. Enquanto centenas ficam a ver navios e com dificuldades, os bonitões seguem a vida numa boa.
Lembro-me do fechamento da Mesbla e Mappin e foi com muito pesar que as pessoas receberam a notícia porque era uma referência na vida de muitas pessoas. Quando eu trabalhei no centro, muitas vezes ía "passear" no Mappin na hora do almoço.

Bjs, Elaine

Fabiana disse...

É lamentável a situação das empresas quando são mal administradas.
Mas menina, vc já trabalhou e um monte de lugar né? Eu só trabalhei em três lugares, e não inclui lojas, empresas, só escritório. Nunca passei menos de 03 anos em um emprego só, rsrs.

Priscila disse...

Que legal saber mais sobre a sua vida profissional, Rosi. Versátil, você, não?
Bjs.
Pri

Nana disse...

Menina, mas tu é rodada profissionalmente hein?! hahahaha não fica brava comigo!!!
Brincadeira brincadeira
Eu sei como é isso, até hj não vi um centavo da VASP e os Canhedos estão lá, lindos.
bjsss

Cláudia Ramalho disse...

Pense numa menina trabalhadeira! Já trabalhasse em metade das empresas de Sampa? rsrsr

Eu nunca entre numa loja Mapplin, aqui não tinha. Mas tinha Mesbla.

***
Rosi, mulher, pois é, vc tem pouco tempo de casamento. Junta mais um pouco de fotos e faz com 5 anos. Aí vc já terá um bom arsenal. E, quem sabe, daqui pra lá terá fotos do seu baby tb????

BJks

disse...

Rosi!
Lembro até hoje da primeira vez que andei de metrô na vida.

Era domingo, dia meio chuvoso e meus pais levaram meu irmão e eu para conhecer o que? O Mappin, claro!

Mas como detestei aquele lugar entupido de gente, uma confusão... E para piorar ficava no meio da praça, cercada por pombos. Aff!!!rs
Mesmo assim, muito bom relembrar.

HSLO disse...

Passando pra te desejar uma ótima semana.

abraços


Hugo

Juh disse...

Oi flor! Tô passando pra avisar que tem um selinho pra ti no meu blog viu? Passa lá!

Espero que goste :-)

Ótima semana!! :-*****

Bia disse...

Eu me lembro do Mappin entre minha infância e adolescência, Rosi, como já citaram aqui nos comentários! Tem um shopping aqui no ABC, (o Shopping ABC, em Sto. André), que era conhecido como Mappin, antes. Para quem viveu tudo o que relatou deve ter sido bem duro... mas creio que tudo tem seu retorno!
Beijão, boa noite!