28 outubro 2009

Matutando

Como nem tudo na vida são flores, sempre nos deparamos com situações complicadas quando falamos em família. E na minha não podia ser diferente. Sobrinhos crescendo, "adolescendo" e dando trabalho.

A verdade que é nós adultos, mães, pais, tias e avós, sempre sonhamos e esperamos que nossas crianças optem sempre pelo caminho correto, e a decepção é tremenda quando decidem fazer o contrário.

Cresci ouvindo o que chamava de ladainha da minha mãe que devia escolher bem minhas companhias, que mentira tem perna curta e não leva a nada. Pois é, hoje percebo o quanto foi importante ouvir e seguir todo aquele sermão. Pena que os jovens de hoje, além de achar que os adultos 'não estão com nada', ainda querem experimentar tudo junto ao mesmo tempo de qualquer jeito.

Quem disse que apenas mãe padece no paraíso?

9 comentários:

Katia Bonfadini disse...

Você tem razão, Rosi! Na época ouvia essas "ladainhas" dos meus pais e achava um saco. Quando agente é criança ou adolescente, acha que vai viver pra sempre, que não existem perigos, que as preocupações são exageradas... Hoje sou eu que peço pros meus pais me ligarem quando chegam em casa à noite depois de me fazer uma visita. Ligo sempre pra minha mãe quando meu pai viaja e ela fica sozinha, dou conselhos, digo pra prestar a atenção na rua, não confiar em qualquer um etc... Como as coisas mudam, né? Beijos e paciência!!!!

Fla disse...

Minha santa mãezinha diz o seguinte: "Ser mãe é padecer, o paraíso tô procurando até agora" hehehehe.
Beijos

Fabi Carvalhos disse...

Rosi, minha tia anda passando por poucas e boas com meu primo. O engraçado é que outro dia estava pensando sobre o que falou. Eu aproveitei bem a adolescência, mas sempre prezando pelos valores morais que meus pais me ensinaram. Vendo o que anda acontecendo com os adolescentes de hoje percebo o quanto os limites são imprescindíveis para segurança e boa formação moral dos filhos. Fico triste quando tenho que chamar a atenção de Sophia, por vezes, até colocá-la de castigo, mas assim, e dando exemplo, a ensinarei que tudo tem seu limite, que precisamos respeitar o próximo, enxergar que não somos os únicos no mundo e que dividir é a melhor solução. Beijão, Fabi.

Lidiane Vasconcelos disse...

Pois é. Qualquer um que ame um adolescente que, de uma hora para outra resolve levar uma vida tresloucada, padece sim... e muito!

Santinha disse...

Ah, não é só padecer no paraíso é mesmo! Veja meu post de hoje se não é para ter orgulho?
Teve muita chatisse sim! Mas valeu a pena cada puxão de oreba!
bjus

Elaine disse...

Rosi,

É, rapadura é doce mas não é mole não...hoje mesmo fiquei praguejando pra mim mesma pq um grupo de jovens de uma escola aqui perto de casa andavam no meio da rua ao invés de usarem a calçada, desafiando assim os carros que vinham em sua direção.
Depois lembrei-me que eu mesma ficava no meio da rua junto com outros colegas esperando o ônibus na saída da escola, aiaiai, que dureza constatar que a roda gira e volta sempre ao mesmo lugar.
---------------------------------

E em resposta a sua visita lá no meu blog, sei que está viva amiga, e sei também que está apurada. Mas sabe, estou achando que as blogueiras em geral estão em ritmo mias lento pq fim de ano é muita correria.
Bjs, Elaine

Raquel disse...

Oi flor lá é verdade isso sempre achamos que mamae nao te razao so o tempo e a experiencia nos trazem a verdadeira visao mesmo. Bjos

Casa Corpo e Cia. disse...

Hhahaha!
Eu fico feliz que esteja viva! rsrs.
Vc viu o comentário que deixei dizendo que tem um blog com omesmo nome do seu? O link pe diferente, mas o nome é o mesmo...

Tem um sorteio lá no blog!
É o primeiro!
Linda noite!
BjOs da Re.

Priscila disse...

Ih, não tô podendo reclamar da ausência de ninguém no blog. Acho que fiquei quase uma semana sem visitar os meus blogs favoritos! Estava com saudades!
Tô passando com calma pra ver as novidades. Depois conto as minhas.
E a viagem? Quando vai ser? Quer aquele arquivo de word com as dicas de BsAs? Me manda o seu email!
Bjs.