12 dezembro 2011

Do respeito à opinião alheia

Dia desses, uma mãe conhecida postou no Facebook uma cena que presenciou, no qual uma outra mãe oferecia refrigerante para um bebê. Na ocasião, ela comentou o quanto se sentia indignada com aquele ato, já que só oferece ao seu filho alimentos naturais.

Apoio sua decisão, uma vez que também tenho essa preocupação com a alimentação do Dudu, mas o que me deixou bastante incomodada foi a postura dessa mãe perante os comentários das demais pessoas discordando em partes de sua decisão. A pessoa em questão se sentiu injustiçada, soltou farpas pra todos, esbravejou, postou fotos sem noção, enfim, fez o maior “furdunço” porque discordaram dela, excluindo de seu roll de amigos todos aqueles que foram “do contra”.

Dudu tem apenas 10 meses. Come basicamente legumes, frutas e verduras. Preparo suas refeições em casa, corto, cozinho, evitando sal ao máximo. Quando saímos, levo sua papinha, mas se o tempo estiver muito quente ou iremos demorar muito, ofereço papinha pronta. Toma leite em pó com complemento (Ninho + Mucillon). Toma suco natural, mas também suco de soja quando estamos fora de casa. Evitamos ao máximo porcarias em geral, mas já experimentou borda de pizza, pão, bolo de aniversário e uma batata frita do Mc Donald’s, claro que tudo isso foi um pedacinho de nada, apenas para não fica com vontade.

Não sou xiita, sou uma mãe normal que evita o que é desnecessário, mesmo sabendo que ele comerá tudo quando estiver maiorzinho. Respeito quem faz ao contrário, cada cabeça, uma sentença. Todas as mães (de verdade) sabem o que é bom para o seu filho, e do meu filho eu sei. E respeito, respeito muito, de verdade.

Acredito que participar de redes sociais tem como premissa se expor e aceitar que as pessoas têm opinião contrária à sua. É uma democracia. Geralmente exponho pouco de minhas opiniões quando não quero criar polêmica. E como sou uma das administradoras do Encontro entre Comadres, projeto que lida com mamães, tento ao máximo, me preservar e respeitar.

Tudo tem limites, cada pessoa deve conhecer o seu.

3 comentários:

Sandra Hellen Kautto disse...

Super concordo com você amiga!! Eu fico zangada demais com essas mães que se acham mega super maravilhosas e acham que somente a opinião delas ou a forma como criam seus filhos é a correta. Na verdade sinto pena, pois acho que essas mães são presas a uma maternidade perfeita que não podem alcançar.

Beijos pra vocês!!!

Andrea Fregnani disse...

Acho difícil não entrar em conflito qnd se expões a própria forma de pensar e agir, eu só de contar como é a alimentação da Alice no blog, disseram que estou criando ela numa bolha, não acho que exista só uma maneira certa de criar um filho, mas existem formas erradas sim, que podem ser prejudiciais...
E de certa forma todas mães sofrem preconceito, eu por ex, sou considerada mãe xiita :S em algumas coisas. Mas o melhor e a gente se considerar a melhora mãe do mundo, pq é esse o nosso objetivo, não é? Ser a melhor mãe do mundo para a nossa cria. Nas nossas tentativacs em acertar, já erramos tanto, imagina o tempo perdido criticando e entrando em conflito com o que acreditamos ser o erro dos outros? Ao invés de aprendermos e agirmos...
bjs para vc e o Dudu que tem sorte de ter uma mãezona

Grauce disse...

Tem gente sem noção nesse mundo mesmo. Vi a Than comentando sobre o assunto, mas não sabia sobre o que era.
Junior também já comeu algumas porcarias, mas criança agua gente. Um pedacinho não vai matar!
COncordo com vc! Apoiado!