17 maio 2009

Quando eu for mãe

Já disse por aqui algumas vezes, a vontade que tenho em tornar-me mãe. E apesar de tantos projetos que vem à frente desse fato, ser mãe dá aquele medo do desconhecido.

Não me permiti ser mãe antes de estar estabilizada profissionalmente, estar madura o suficiente e ter encontrado um pai descente. Sofria com a possibilidade de ser pega de surpresa e me culpar por toda a vida de ter deixado isso acontecer no momento errado. Hoje, com 31 anos, tudo toma um rumo diferente.

Não sou capaz de mensurar qual será o meu perfil de mãe. Condeno aquelas que amam tanto sua prole que esquecem de impor limites, que esquecem que existe o próximo e seu pequeno pode incomodar, que encara como personalidade as birras e frases que eles emitem em alto e bom tom em locais indevidos. Talvez eu até volte aqui e confesse que estou incluída em um desses grupos, mas juro que tentarei manter o equilíbrio como mãe e ser pensante.

Talvez eu até ame demais meu filho e o impeça de sentir dores, mágoas e ausências mal resolvidas. Talvez eu coloque como lema o fato de fazer tudo o que meus pais não fizeram e dar tudo o que eu não tive, mas juro que tentarei lembrar que foram essas lacunas que me construíram.

Um belo exemplo de mãe, mulher e guerreira é Marina. Uma pessoa que conheci pela blogosfera e me sensibilizei com sua história de amor, equílibrio e superação. Marina, um beijo bem grande no seu coraçãozinho.

5 comentários:

Dêzinha disse...

Quando penso em ser mãe um dia(beeem distante ainda) tbm fico assustada. Sei lá... eu àa vezes penso que cuidar de mim é tão complicado... penso se vou conseguir cuidar de uma pessoinha que vai sair de dentro de mim e depender de mim bem mais que eu mesma. o.Ó é... me assusta, mas a única forma de conhecer o desconhecido é entrar nele(pra mim, não ainda).

É uma reflexão a se pensar muito. *-)

Beeejo e bom domingo! ;**

Suzana Mattos disse...

Tenho certeza que você será uma ótima mãe. E, pode ter certeza, que se depender de mim, ele (ou ela) não irá escorregar na hora do banho... Eu vou dar o tapetinho de golfinho hahahahahaha.
saudades!

Beijos

Roberta Bernardo disse...

Adorei seu post!!!
Ser mãe realmente não é facil... é dificil quando é com a gente, mas compartilho da sua opinião. amor não pode ser sinonimo de falta de limites.
Que saibamos colocá-los e levar nosos filhotes a uma maturidade equilibrada.
Enquanto isso vamos sonhando com a maternidade e nos preparando pra ela. Que 2009 seja fértil pra nós... eu tô querendo!!
Bjks, Beta

Mari disse...

Sabe? Eu tb sou louca para ser mãe, mas não posso dizer veemente que tipo de mãe serei, agora tenho uma realidade diferente e pensamentos diferentes tb, apesar de saber que não dá para evitar que o filho se machuque, porque isso seria colocá-lo debaixo da asa e não deixá-lo viver, é bem capaz de eu querer tomar o controle de tudo, eu não sei, vamos ver.
Bjs.

Marina Ushiro disse...

Olá Rosi!
Parabéns pelo seu blog!
Tenho certeza que quando for mãe, educará seus filhos com muita sabedoria, amor e maturidade.
Creio que pessoas que lidam com outras pessoas como vc,por causa de sua profissão,acumulam experiências de convivência que refletirão na sua maneira de criar seus filhos,claro, para o lado positivo!!
Muito obrigada por mencionar a minha história.
Desejo muitas felicidades para você e que seu sonho se realize iluminando a sua vida!
beijos...MarinaUshiro.