05 agosto 2009

Relativização

Um casal de amigos terminou uma relação de 7 anos. Embora todos jurassem que seria eterno, o relacionamento deles não sobreviveu à crise dos 7, mas o pior foi a maneira como ele escolheu para por fim à essa relação: via skype. Para quem não conhece, o sistema skype permite a comunicação de voz e vídeo grátis entre os usuários de um software. Mas mesmo com toda essa tecnologia, não deixa de ser uma forma fria e um tanto cruel.

Fiquei pensando sobre a questão da falta de respeito com os sentimentos alheios. Eu confesso que é um tanto complicado se colocar no lugar dos outros. É realmente um exercício difícil que precisa de disciplina e paciência, mas que deve ajudar muito no convívio com outras pessoas. Nossa tendência é termos uma certa cegueira com nossos enganos, porém sabemos que não nascemos completamente desenvolvidos.

É importante olhar nos olhos, uma conversa franca esclarece todos os pontos e isso serve para qualquer relacionamento. Essa tecnologia toda ajuda para agilizar a comunicação, mas atrapalha em momentos mais importantes.

Quanto ao fim do relacionamento, sejamos práticas: se não voltar, a receita da reabilitação é uma só: tempo, abstinência e outros prazeres.

7 comentários:

Fabiana disse...

Poxa, deve ter sido uma barra. Sinceramente, devemos pensar no ser humano com um pouco mais de carinho e respeito.
Adoro esses trecos eletrônicos, mas para facilitar a vida, não para atrapalhar e trazer tristezas.
No mais, a vida é um pouco complicada né não?

---

Hum, aquele peixe tava bom mesmo viu? rss.

Beijocas!

Fla disse...

Putz...que chato!

Eu já terminei um namoro por telefone, mas óh, eu tinha um motivo...rs... eu juro! Rs...

Relações humanas são tão, mas tão complicadas não é mesmo?

Bjs
Fla

Santinha disse...

Oi Rosi
Obrigada por comentar e apareça sempre que quiser - Mi Casa Su Casa viu!
Agora terminar um casamento via skip é de armagar.
Vou te contar um segredinho, segura:

Me casei três vezes (isso mesmo três), da primeira vez com 19 anos incompletos, claro que não ia dar certo. Tudo aconteceu sem planejar ficamos casados quase 7 anos e sai desse casamento com dois filhos pequenos.
Com 25 anos casei de novo (era jovem, bonita e precisava dar uma familia para meus filhos) passei com outros 6 anos e meio com o “dito”, mais um filho (olha quanta merda). Esse “dito”, pai da minha filha (que é linda e ammamos demais), mandou os pais dele virem falar comigo (não tinhamos internet naquela época) – não teve coragem de olhar nos meus olhos (passei anos sem entender aquilo e sofri duplamente).
Jovem e bonita ainda, casei-me novamente e estamos felizes e juntos até hoje graças lá se vão mais de 16 anos... Finalmente acho que me livrei da síndrome dos 7 anos) não tive mais filhos kkk

Imagino muito bem o que sua amiga esta passando.
Os anos se passaram e o pai da minha filha, o "dito" até hoje não tem coragem de me encarar pela vergonha que passou. Imagine: Me deixar com uma filha pequena e com os dois que eu ja tinha, assim sem mais nem menos...

Desmanchar um casamento sem olhar olhos nos olhos é uma patifaria sem tamanho
– Quer saber mais: Sua amiga se livrou de um BOSTA.
Beijos e boa sorte para ela.

Cláudia Ramalho disse...

OI, Rosi, vim aqui dizer que já li seu post sobre o selinho, sim, é que não podia comentar de onde li. As janelas de comentários ficam bloqueadas (compreende?)

Que coisa essa história! Fiquei mais pasma ainda ao ler o comentário da Santinha. Que raça de homens!

Olha, eu faço piada com essa crise dos 7 anos. Quando completamos 6 anos e meio de casados, quebrou o fogão. Aos 7, foi a geladeira, os 2 ar-condicionados, o micro-ondas, o liquidificador, a batedeira e a máquina de lavar.

Então, eu dizia: já sei o porquê da tão falada crise dos 7 anos: quebra tudo ao mesmo tempo, haja dinheiro e paciência para comprar tudo de uma vez só. kkkk

Brincadeiras à parte, é uma pena quando um casal se desfaz, mais ainda quando há filhos em jogo, mas se é pra ser feliz de novo, que se separem o quanto antes.

BJks.

Beta Bernardo disse...

Rosi, minha flôr!!
Não esqueci da entrevista, não! Mas tô tão enrolada e com a internet problemática aqui no trabalho, tá difícil blogar... leio, leio e não comento! :((
Esse lance de usar o virtual pra discutir e terminar relações tá na moda. Triste, né? Principalmente quando o "terminador" é homem. Covarde que são pra esses assuntos arrumaram a maneira perfeita de não precisar olhar olho no olho.
Adorei a receitinha prática no fim do post... podemos adicionar aí o fator sorte, pra encontrar logo um substituto e virar a página definitivamente! ;)
Bjks, Beta
PS: Obrigada pleo carinho çá no meu canto novo... ; )

Patrícia Pirota disse...

Oi Rosi,

É, eu não posso falar muita coisa, porque já terminei um caso por MSN. Mas era um caso de 2 meses... E mesmo assim me senti uma canalha. Só que não sei lidar com choro, e, como previsto, quando encontrei o cidadão pra uma conversa olho no olho, ele se derramou em lágrimas.

Mas concordo com você. A gente tem que ser mais cuidadoso com os sentimentos alheios. Aprendi depois de errar...

Ai mulher! Minha família inteira é corintiana. Sofri horrores a vida toda...
E imagino a guerra que deve ser entre você e o marido =)

Quando puder, faca mestrado sim. É um mundo novo, e super bacana...
Eu não fiz nenhuma pós. Me formei em 2004, em Letras, e depois me acomodei dando aula. Se soubesse que ia me realizar tanto, não tinha esperado pra fazer...

Vou conferir a entrevista.

Beijo pra você!

Luci Cardinelli disse...

Rosi, infelizmente hoje o mundo virtual tem sido usado para substituir muita coisa da vida real. Muita gente se esconde nele. Uma pena...