08 abril 2011

Blogagem coletiva: Maternidade Real

Frequentemente (e recentemente) recebo comentários aqui no blog de uma anônima que assina como mamífera me criticando o fato de eu não ter tido um parto normal e nem ter alimentado exclusivamente.

Se isso me incomoda? Não mesmo. Penso que essa pessoa que acredita ferir com cinismo deve ser uma xiita em conceitos, ou uma pessoa frustada que se preocupa apenas com a vida alheia, ou ainda que fantasia que seu mundo é perfeito e morre de culpa por ser o contrário.

A verdade é que somos humanos e temos vidas possíveis. Eu sou uma delas. Me tornei mãe depois de realizar muitas coisas em minha vida e sei que foi na hora certa. Amo meu filho, ele é a verdadeira tradução do que é o amor, como diz a música. Ele veio selar um relacionamento lindo que tenho e me sinto feliz por isso.

A gente tem que buscar um equilíbrio para tudo. Ser mãe é difícil. Você tem que passar pela aprovação da sociedade a cada etapa, desde a gravidez até seu filho tornar-se adulto, e se ele não se tornar uma pessoa de bem, a culpa será sempre da mãe.

Tive o chamado baby blues e me senti incapaz em alguns momentos. Aí depois de uma conversa vi que precisa dar a volta por cima. Nada em minha vida foi fácil e tornar-se mãe não seria diferente, é um aprendizado constante. E não tenho vergonha de dizer que:

- Meu parto foi cesáreo (porque teve que ser assim) e tive problemas com a amamentação;
- Não fiz hidroginástica e drenagem porque tive que economizar para o enxoval;
- Não fiz chá de bebê porque acho um saco aquelas brincadeiras e o gasto com a festa pode ser muito maior do que se ganha;
- Não sinto saudades da barriga de grávida porque os últimos meses de gestação foram tão desgastantes que talvez tenha ficado traumatizada;
- Não usei filtro solar e hidratante todos os dias, por isso nem devo reclamar das estrias que ficaram de herança.

O real é bem diferente do ideal e cada mãe sabe o que é melhor pra seu filho, de acordo com a sua realidade...

Meu filho tomará gelado, andará de pé no chão e comerá papinhas prontas quando for necessário. Jogará vídeo game e comerá industrializados de vez em quando. E tudo isso não me tornará uma mãe pior porque eu estarei fazendo tudo o que achar melhor, sempre zelarei pelo seu bem-estar sem me preocupar com o que dizem as revistas, os mais velhos e os pediatras radicais. Já diz o ditado que intuição de mãe não falha, não é mesmo?! E é assim que será, seguindo a intuição. E desses radicalismos ocos, e muitas vezes cruéis, já tô cheia!

---------------------------------------------------------------------------------------

Esse texto faz parte da Blogagem Coletiva promovida pelo blog da Carol. Passe por lá e veja os demais blogs participantes.

19 comentários:

Sandra Hellen disse...

Rosi querida, quando eu leio esse tipo de coisa que algum "anônimo" deixa recados desaforados eu fico boba...não acredito que ainda existe pessoas que perdem o tempo fazendo esse tipo de coisa.

Adorei teu post...também sou a favor da maternidade real, sem enfeite!! Afinal a gente vive em um mundo real e não em um conto de fadas!!!

Beijos mil pra vocês!!!

Karin - @karinpetermann disse...

Nossa... isso aí!

Adorei seu post!! Enfim, somos as melhores mães que podemos ser, que as condições nos permitem!

Li um livro que falava como Maria educou o menino Jesus através da intuição dela. Achei lindo demais! Chorei que me acabei!

Acho que está mais que certa!!!

beijos

Karin - @karinpetermann
www.mamaeecia.com.br

Danee disse...

Não sou mãe, mas acho que está certíssima! A vida tem muitos desses radicalismos imbecis que só contribuem para uma sociedade ainda mais preconceituosa. Não consigo acreditar que algué possa te criticar por ter tido parto de cesárea. Ainda bem que o fez e o seu filho a única coisa que realmente importa está bem. Muito bem!
beijocas

Ingrid Souza disse...

Retribuindo o carinho da visita, querida, anonimo a gente ignora, quem nao tem coragem de mostrar a cara merece ser ignorado e acabou!
Odeio gente limitada e prefiro passar por grossa a ouvir barbaridades, especialmente qdo essas dizem respeito a maneira como crio meu filho, pra pagar nossas contas ninguem se oferece, né?!

Ser mãe está muito, mas muuuuuito além de um parto normal, aleitamento materno e essas coisas todas, como eu disse no meu blog "cada um tem o filho que cria", o importante é seu filho crescer feliz, saudavel e certo do seu amor por ele! =)

Entre erros e acertos vamos todos aprendendo, tem horas que bate desespero, mas passa e a vida segue!

Um beijo e bom final de semana.

Rafaela Pâmela disse...

Amiga eu vi o comentário ontem e achei ridículo, como pode ainda em pleno o século 21 existir uma pessoa com a cabeça tão pequena. Acho que independente de qualquer coisa , só nós mães de verdade, sabemos a dimensão do nosso amor por nossos pequenos, adorei o post e estou contigo. bjs

Tati Carmo e Melo disse...

Adorei o post, Rosi. Compartilho de suas opiniões e acrescento: o que vem de baixo não nos atinge. E alguém anônimo é, sem dúvida, baixo demais, covarde demais, vazio demais!
Um beijão!

Andrea Fregnani disse...

Primeiro, modere os comentários, Rosi, no meu blog, só entra comentário aprovado por mim, e acho que por isso nunca recebi comentário anônimo, as pessoas desistem, pois não vão ter feedback...
Adorei seu texto, bom tr conhecer melhor como mãe, tirar inspiração tb ;)
A Alice brinca no chão do parquinho com brita, desde 6 meses, muitos acham que sou doida, mas ela cresce forte e feliz :)
bjs

erika disse...

Mais verdadeiro impossível! Tambem sou meio descrente dessa "cartilha da mãe ideal" adotada, ao que parece, pela sua fã anônima!
Semana passada, enquanto estava em um restaurante vi uma cena que me marcou: uma criança de quase 3 anos, cabelos ao vento, correndo de pés descalços, pretinhos pretinhos de sujo. Toda feliz! E a mãe? e a avó? brincando com ela, curtindo o momento!!!
Maternidade é para ser algo leve e não cheias de regras que mais nos prendem do que libertam.
Viva à maternidade sem frescuras!!!

erika disse...

Mais verdadeiro impossível! Tambem sou meio descrente dessa "cartilha da mãe ideal" adotada, ao que parece, pela sua fã anônima!
Semana passada, enquanto estava em um restaurante vi uma cena que me marcou: uma criança de quase 3 anos, cabelos ao vento, correndo de pés descalços, pretinhos pretinhos de sujo. Toda feliz! E a mãe? e a avó? brincando com ela, curtindo o momento!!!
Maternidade é para ser algo leve e não cheias de regras que mais nos prendem do que libertam.
Viva à maternidade sem frescuras!!!

Camila disse...

Já virei sua fã! Pela realidade da sua maternidade e a sinceridade do post!
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.blogspot.com

Bruna disse...

Não acredito que tem um babaca deixando esses comentários no seu blog... que falta do que fazer... afff...

Adorei seu post... compartilho com você suas realidades...

Passei por aqui também para agradecer sua amizade nesse periodo dificilmente maravilhoso da minha vida!

Beijos
Que Deus abençoe você, sua família, sua maternidade e o Dudu!

Ananda Etges disse...

Rosi,

Muitas mulheres não tem a coragem que tu teve de assumir as tuas escolhas e viver feliz com elas. Tá funcionando pra ti? Sim. Então, ótimo, é isso que importa!

Beijos, Ananda.

http://projetodemae.wordpress.com/

Anônimo disse...

Jesussss! Não acredito que isso tenha acontecido.
Deve ser mesmo uma mamífera, um animal que não raciocina.

Sou dindinha deste bebê mais lindo do mundo todo! E, sempre tive certeza, de que ele é muito bem cuidado. "A pata da galinha não machuca seus pintinhos", ñ é mesmo.

Adoro vcs! Bjs, Amarílis

Juliana Yajima disse...

Olá Rosi!

Adorei o post de hoje, adorei a iniciativa da blogageem coletiva. É sempre muito bom sabermos que não estamos sozinhas, e que nem tudo são flores.

Hoje pela manhã, foleando uma revista entrei uma frase na qual se encaixa perfeitamente para o dia de hoje: "Ser heroína é um stress. Ser feliz é muuuito melhor".

Bem bolado para o dia de hoje, não?!

Um beijo no Dudu (cada dia mais lindo!!)

Sabrina disse...

Oi Rosi! Sim, somos mulheres reais...
Sim, fizemos cesárea, e daí!!!
Sim, não somos perfeitas...mas somos as melhores mães que podemos ser, pois DESEJAMOS SER!!
Não liga pra essa anônima.
Deve ser uma mal-amada da vida!!!

beijos, adorei seu post.
Também bloguei coletivamente!!

Naiara Krauspenhar disse...

Se algo que falamos é digno de respeito, não temos vergonha de mostrar a cara.
Então nem dê bola aos comentários anonimos. Não vale a pena.
Conheci seu blog hoje atraves da blogagem, e voltarei sempre.
Parabens pelo post.
BJos

~~ Carol Farias ~~ disse...

Adorei Rosi!!! Tem gente que nem merece comentários!!

Elaina disse...

Se as mães estivessem mais prontras a ouvir que criticar tudo seria melhor e mais fácil. Mas acho que é isso mesmo, criticam porque querer se justificar de algo que as incomoda mas não tem coragem de admitir.

Eu nunca precisei justificar nada à ninguém, pois sempre fiz aquilo que achava certo e isso pra mim basta!

Adorei seu post.

Bjs
Elaina
http://www.vidademae.net/

Sarah disse...

Oi Rosi! Vim retribuir sua visita ao meu blog e conhecer seu post para a blogagem coletiva. Gostei muito! Você traduziu bem a linha do "fazer o possível sem deixar de fazer com amor"!
E seu filhote é um fofo, parabéns!
um beijo